Em Exposição

Território Sagrado

FRANCISCO BRENNAND

Pintor e Ceramista. Nasceu em 11 de junho de 1927, na cidade do Recife. Em novembro de 1971, a partir das ruínas da antiga Cerâmica São João da Várzea fundada pelo seu pai em 1917, começa a construção da Oficina Cerâmica Francisco Brennand, que se tornou centro de referência no cenário artístico brasileiro, por abrigar de forma única a obra do artista Francisco Brennand. De seu vastíssimo currículo fazem parte mais de 100 exposições entre coletivas e individuais, no Brasil e no exterior; 40 prêmios, dentre eles a medalha de “Officier de L’Ordre Dês Arts et Dês Lettres” concedida pelo Ministério da Cultura da França – Paris e o Prêmio Interamericano de Cultura Gabriela Mistral outorgado pela OEA – Washington, em 1993, considerado o Prêmio Nobel na área das Artes.

 

 

“Gêmeos (da série Estudo para Cerâmica)” – Acrílica sobre papel 40 x 18cm – 1977
“Gêmeos Guerreiros” – Argila pintada, vitrificada e queimada em alta temperatura – h.59cm – Base: 39,5 x 67,5cm – 1986

GERMAN LORCA

Em 1948, Lorca ingressou no Foto Cine Clube Bandeirante (FCCB), consagrado pólo de difusão da fotografia moderna na cidade de São Paulo. A convivência com os integrantes estimulou sua decisão de se dedicar profissionalmente à fotografia. As discussões em torno da experimentação fotográfica, promovidas pelo Bandeirante, manifestaram-se na obra de Lorca nos anos iniciais, com as primeiras imagens de observação de rua, nas quais o componente subjetivo já é evidente. Suas fotografias integram os acervos do Museu de Arte Moderna, do Museu de Arte de São Paulo, da Pinacoteca do Estado de São Paulo, da Coleção 33 Porto Seguro de Fotografia, do Banco Itaú e da Cisneros Fontanals Art Museum (Miami).

 

 

 

“Pernas” (1955)
“Antúrios” – Gelatina de sais de prata 40 x 40cm – 1960

JOSÉ ANTÔNIO LIMA

José Antônio de Lima, que reside em Curitiba, PR, há quase trinta anos, foi jornalista, formado pela Universidade Estadual de Londrina, e repórter fotográfico, dedicando-se às artes desde 1985. Ganhou vários prêmios em salões de arte nacionais e realizou exposições individuais e coletivas em espaços culturais importantes no Brasil e no exterior. Em suas diferentes fases de produção, utilizou diversas técnicas e linguagens, em uma amarração contínua, dos desenhos em nanquim às colagens em papel; das pinturas em técnica mista e a óleo às esculturas e objetos em diversos materiais; até chegar às grandes instalações das séries Catedrais e Tramas. Atualmente, tem inserção internacional, com exposições realizadas em galerias e museus da Finlândia, Japão, Suécia, Rio de Janeiro e Alemanha. Em março de 2014, participou da Luminale, Bienal de Arte e Luz, em Frankfurt, Alemanha, a convite da Prefeitura local, com a instalação Tramas, no Jardim Botânico da cidade alemã. Participa em 2015, da Bienal Internacional de Curitiba.

 

“Estocolmo” – Óleo sobre tela – Diptico 1,50 x 1,50m – 2008
“Estocolmo” – Óleo sobre tela – Diptico 1,50 x 1,50 m (cada) – 2008

LOIO PÉRSIO

Loio Pérsio Navarro Vieira de Magalhães (Tapiratiba, SP – 1927 – Rio de Janeiro RJ 2004). Pintor, desenhista, gravador, ilustrador, artista gráfico e publicitário. Muda-se com a família em 1943 para Curitiba, onde estuda pintura com Guido Viaro (1897-1971). Muda-se para o Rio de Janeiro onde cursa pintura com Ado Malagoli (1906-1994) e cenografia com Santa Rosa (1909-1956), no Serviço Nacional de Teatro, entre 1949 e 1950. Em 1951, retorna a Curitiba e retoma o curso de direito. No mesmo ano, funda o Centro de Gravura do Paraná. Em 1952, é convidado pelo governo do estado para organizar e dirigir a Casa-Museu Alfredo Andersen e a Pinacoteca Paranaense. Entre 1975 e 1976, viaja para Roma, Londres e Paris, onde torna-se pintor-residente na Fundação Karoly. Em 1995, fixa-se novamente em Curitiba.

 

 

“Composição em rosa” – Acrílico sobre tela – 60 x 80 cm
“Composição em amarelo” – Acrílico sobre tela – 70 x 80 cm

TADEU JUNGLE

Fotógrafo, videoartista, roteirista e diretor de cinema e TV. Foi um dos precursores da videoarte no país. Escreveu para vários jornais e revistas sobre vídeo e televisão. Apresentou e dirigiu programas de TV, entre eles o emblemático Fábrica do Som nos anos 80, lançando várias bandas que são famosas até os dias de hoje. É sócio da Academia de Filmes onde também dirigiu publicidade, com mais de 500 filmes realizados. Concebeu e dirigiu programas e séries de TV – ficção e documentário – para a TV Globo, Cultura e Band. Dirigiu o longa-metragem de ficção “Amanhã Nunca Mais”, com Lázaro Ramos. Atualmente faz duas videoinstalações para o Museu do Futebol e para o Museu do Amanhã e realiza pesquisas em filmes de Realidade Virtual. Acaba de lançar seu livro VIDEOFOTOPOESIA em que retrata 30 anos de carreira nas artes.

 

 

“São Paulo Hip Hop” – Cor Mudo 2005

ZULEIKA BISACCHI

Nascida em São Paulo-SP, Brasil. Artista Visual, Professora de Artes, pesquisadora das técnicas: fotografia, imagem digital, encáustica, acrílico, instalação e tridimensionais. Graduada em Artes Plásticas e Educação Artística. Pós-graduada em Artes Plásticas – Faculdade Santa Marcelina – São Paulo, SP – Brasil. Participou de diversas exposições coletivas e individuais, entre as quais: Pleiades Gallery – New York- EUA, Atemporal – Galeria Joh Mabe – São Paulo, SP e Memórias Ancestrais (Instalação) – Capela do Morumbi – São Paulo, SP – Brasil.

 

 

 

 

“Faces do Peru” – Papel algodão 30 x 30 cm (cada) / 90 x 90 cm (total)
“Atemporal” (da série) – Papel algodão – 60 x 90 cm
“Atemporal” (da série) – Papel algodão 60 x 90 cm